Parece uma bobagem dedicar um post inteiro a algo que parece já estar bem claro. Mas eu sou professora, e eu sei, com meus anos de experiência, que não existe isso de algo ser bem claro. Dúvidas surgem, e o que é claro para Maria, não é claro para José.

Todo curso começa com uma reunião, onde eu avalio o nível de inglês do interessado (ou interessados, no caso de pequenos grupos) e também conversamos sobre a experiência da pessoa com o aprendizado do inglês, onde estudou, se gosta ou não, e, principalmente, quais são os objetivos dela com o curso.

Um curso regular é diferente de um curso de Business, que é diferente de um curso intensivo (sim, temos cursos intensivos!), que é diferente de um curso curtinho para preparação para viagem ou entrevista de emprego (sim, temos esses dois tipos de cursos também!). Saber direito qual é o objetivo da pessoa é essencial, pois é com base nisso que as aulas serão preparadas e que o material será escolhido.

Comentarei aqui as dúvidas mais comuns que surgem nessas reuniões iniciais:

1) No curso personalizado eu decido meu material e as aulas são somente como eu quero?

Não, o material é decidido de acordo com seu perfil e suas necessidades – então podemos dizer que você, de certa maneira, participa da escolha do material, indiretamente. Mas o material é decidido por mim, que sou a coordenadora. E, às vezes, os professores colaboram na escolha também.

As aulas são organizadas, seguem uma ordem lógica, o fato do curso ser personalizado não significa que o professor chega lá e pergunta “O que você quer fazer hoje?” – isso não é nada eficiente, nada produtivo, e não surte muitos resultados. Você pode, certamente, sugerir um texto, uma música, um assunto – mas aí o professor vai preparar a aula usando sua sugestão. 🙂

2) Se é curso personalizado e não tem pacote de horas, então eu nunca sei meu nível? O aluno não “muda de nível”?

Sim, há níveis, e certamente o aluno evolui e “muda de nível”. Baseamos nossos níveis, de maneira geral, no e nossa maior intenção com nosso trabalho é que nosso aluno evolua de maneira geral, em todas as habilidades – ou seja, trabalhamos sim para que todos os alunos “mudem de nível”; só que preferimos seguir no ritmo do aluno, e não impor um tempo para que ele termine seu curso.

3) Tem como um curso personalizado ser em grupo?

Tem sim! Desde que o grupo tenha, no máximo dos máximos, 4 alunos. Assim, o professor consegue dar atenção individualizada a cada pessoa, ainda que as aulas sejam em grupo. Claro que, em grupos, buscamos interesses gerais. Mas em grupos de até 4 alunos todos falam, participam e interagem entre si, e o professor consegue acompanhar a turma de maneira personalizada.

Cursos em pequenos grupos são ótimos para pessoas que trabalham na mesma empresa e queiram diminuir custos e ter mais pessoas para trabalhar em aula, além do professor.

Lembrando que tudo é uma questão de perfil e necessidade. Algumas pessoas gostam de estudar sozinhas, outras não. Algumas preferem um modelo de escola mais tradicional, outras preferem aulas mais focadas em seus objetivos.